sábado, 12 de junho de 2010

(Imagem de Dieter Braun)


Acabei de receber a gravação da minha Revolução Solar de 2010.

Ariana, com ascendente em capricórnio: trabalho, trabalho e trabalho.
Lua em gêmeos: arte, prazer e pensamento.
Mudanças, poder e viagens.
Mas o que realmente me chamou atenção nessa revolução solar foi a frase:
- Se você se permitir, Lidiane.
Se...

Quero muito me permitir, sabe? Muito, muito.
Liberdade interior. Desmascarar meus monstros e brincar com a sombra. A minha sombra.
Eu sempre me imaginei livre, independente e pelo mundo. Talvez, em busca disso, eu tenha me prendido a um modelo ideal de vida. E, por medo, repressão ou caretice mesmo, eu tenha ficado, tempo demais, presa dentro de mim. Ensimesmada. Uma contradição bem ao meu estilo. Eu quero, mas eu nego que quero.
Não é fácil quebrar conceitos. Mas, você me conhece. Se de um lado eu me recolho, do outro eu tenho força para quebrar o ovo em que me escondi.
Estava aqui pensando que, talvez, a minha pedra filosofal seja não ter uma pedra filosofal. Quebrar tudo o que é duro e transformar meus monstros em minha quintessência.
Eu sei que Plutão me ronda. E Plutão não é fácil. Nem é mais planeta e fica me alfinetando...
Mas sei também que Plutão só alfineta quem tem estrela.
Então eu olho para o céu de dia e vejo o sol. Uma estrela.
Olho para o céu à noite e vejo estrelas. Um passado de estrelas.
Mas quando olho para o espelho, eu não consigo ver muita coisa além de um sorriso emprestado de Cheshire e olhos que se apertam em mais perguntas que respostas.
Agora eu sei que não é o melhor período para isso, mas quero muito decantar minhas ideias e também fazer uma revolução.
Estelar, claro. Porque até o sol, é uma estrela.

2 comentários:

::Burtonesca:: disse...

Só o fato de ter conseguido traduzir o sentimento em porques já e algo.
Mas nao é suficiente nao.
Biju

Lidiane disse...

Não é mesmo, Line.
:(
E, quando vem aqui, hum?
Suas revistinhas estão aqui. Não sei pra que lugar do mundo mandar.
:P

Beijos.