quarta-feira, 21 de setembro de 2011

(Salvador Dali - Portrait of a Passionate Woman)

Sério, estava achando que era brincadeira. Mas é nada.
Um banho de mar ia muito bem. Mas, vai ter de ser sal grosso.
Não sei direito o que pensar. Estou tentando levantar algumas possibilidades. Uma delas é de que o meu sentido de proteção faz com que as coisas travem. Talvez pra me livrar de poucas e boas mais tarde.
Não consigo articular outra hipótese agora.
Fiz um chá de camomila. Era pra ser no Fran´s, mas é aqui em casa.
Talvez o sentido das coisas é que não há muito sentido.
Universo no modo randômico.
Vamos esperar. Mais.

P.S. Essa imagem de Dali ilustra direitinho a cena que descrevi outro dia pra Mouzes.
Tentando, aos poucos, enterrar "meus defundos". Mas sempre fica a mãozinha do lado de fora.
Acho que entendi. A mão que fica não é a do defundo, é a minha.
risos
Acho que quando conseguir enterrar o meu-eu-defunto, o caminho fica livre.
Saravá!


Um comentário:

Maísa Picasso disse...

M-i-s-e-r-i-q-u-e-i-m-a!